Saneamento Ecológico

A falta de estrutura de saneamento básico foi identificada pelas comunidades do Fórum (FCT) como uma das vulnerabilidades que devem ser estrategicamente solucionadas para promover à saúde, qualidade de vida, desenvolvimento sustentável e, consequentemente, contribuir para fortalecer a permanência das comunidades tradicionais em seus territórios. Portanto, um dos focos de atuação do Núcleo de Transição Tecnológica do Observatório (OTSS) são os projetos e ações de saneamento ecológico.

No dia 11 de julho de 2015, o OTSS entregou o primeiro módulo de Saneamento Ecológico, construído na Escola Municipal Martim de Sá, na Comunidade Caiçara da Praia do Sono. A elaboração e implantação do projeto foi executada pela equipe técnica do OTSS em parceria e diálogo contínuo com a comunidade local. O custo da obra foi dividido entre o Observatório (R$32,5 mil) e a Prefeitura de Paraty (R$17 mil). A construção contou com a mão de obra local.

A equipe do OTSS está trabalhando para construir novos módulos nessa comunidade, reduzindo o custo, propiciando uma maior apropriação local da tecnologia, monitorando os módulos implementados e transformando essa comunidade em um modelo de solução ecológica de saneamento básico. Na segunda fase, está prevista a implantação de 10 novos módulos ecossanitários nas casas da comunidade.
Localizada na Serra do Mar, em área prioritária para conservação, a Comunidade Caiçara da Praia do Sono vive ameaçada pela especulação imobiliária e pelo turismo predatório. Para o desenvolvimento da saúde e qualidade de vida, essa comunidade priorizou o tratamento do esgoto. Na construção do módulo, a troca de saberes norteou os trabalhos de planejamento e execução da obra. A equipe do OTSS realizou reuniões com os caiçaras, que optaram por este tipo de saneamento ecológico: fossa séptica integrada com fossa verde – o tanque de evapotranspiração.

Esse sistema de saneamento não contamina o solo, ao contrário das fossas sumidouros, que são utilizadas convencionalmente no local. O módulo construído na Escola Municipal Martim de Sá consiste em: uma caixa de alvenaria selada (impermeabilizada), onde ocorre a decomposição anaeróbia da matéria orgânica; finalizada com uma camada de terra fértil, onde foram plantadas bananeiras, que absorvem a matéria orgânica incorporando-a à sua biomassa e eliminando a água por evapotranspiração.