OTSS inicia a expansão do Saneamento Ecológico na Praia do Sono

Começou! Começaram a construção de módulos ecossanitários em núcleos familiares da comunidade Caiçara da Praia do Sono. Cada módulo é composto por um tanque de evapotranspiração, uma caixa de gordura e um ou mais círculos de bananeiras. Nesta 2a fase do projeto, o Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina (OTSS) e a comunidade local estão juntos construindo 10 módulos. As obras começaram na última semana de julho. O foco desta 2a fase é a expansão do saneamento ecológico para os núcleos familiares dos caiçaras do Sono. O OTSS é fruto de uma parceria entre a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Fórum de Comunidades Tradicionais Caiçaras, Guarani e Quilombolas de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba (FCT).

A experiência da 1a fase (módulo piloto na escola da comunidade) trouxe vários aprendizados, possibilitando à equipe (OTSS e a comunidade) planejarem várias melhorias nesta 2a fase (expansão). Entre as melhorias está o uso do hiperadobe, uma tecnologia mais eficiente e mais barata, na construção dos tanques de evapotranspiração. Outra melhoria marcante é o processo de contratação dos construtores da comunidade como Microeempreendedores Individuais (MEI). Nos últimos meses, a Incubadora de Tecnologias Sociais do OTSS apoiou oito comunitários do Sono a se formalizarem como MEI e os contrataram para execução das obras nesta segunda fase.

 

Bioconstrução de módulos de saneamento ecológico com a técnica construtiva do Hiperadobe em casas da comunidade caiçara da Praia do Sono, em ParatyBioconstrução de módulos de saneamento ecológico com a técnica construtiva do Hiperadobe em casas da comunidade caiçara da Praia do Sono, em Paraty

 

Todo o processo – desde a formulação do projeto de Saneamento Ecológico, a escolha da Comunidade do Sono, a escolha da tecnologia do módulo inicial, a implantação do tanque de evapotranspiração na escola, o monitoramento da qualidade do fruto da bananeira do tanque, o panejamento e preparação para a segunda fase, o mapeamento do saneamento em todos os núcleos familiares da comunidade, a escolha dos primeiros 10 núcleos, a formalização dos construtores locais, este início das obras de expansão – é marcado por muito diálogo, baseado na Ecologia de Saberes e no protagonismo das comunidades tradicionais que compõem o FCT e, especialmente, da comunidade e da associação de moradores do Sono.

A construção e implantação dos 10 módulos devem ser concluídos em janeiro de 2017. De agora até lá, publicaremos vídeos, fotos, entrevistas e notícias das obras e de toda essa história desta tecnologia social inovadora que estamos concretizando juntos, com muitas mãos, mentes e vozes diversas e solidárias. Fiquem ligados em nossas redes sociais... e mão na massa! Ou melhor, no hiperadobe...

 

 

1a Fase: saneamento ecológico na escola e parceria com a prefeitura

O marco da primeira fase do projeto foi a construção e monitoramento de um primeiro módulo ecossanitário, inaugurado no dia 11 de julho de 2015, na escola da comunidade – a Escola Municipal Martim de Sá. A primeira fase contou também com apoio da Prefeitura de Paraty, que cobriu 34% dos custos da obra.

Apesar desta segunda fase não contar com recursos financeiros da prefeitura, a parceria com a Administração Pública Municipal continua amadurecendo. No dia 03 de agosto de 2016, o Prefeito de Paraty, Carlos José Gama, foi recebido pelo Presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, em um ato no Castelo da Fiocruz, no Rio de Janeiro, onde assinaram um termo de cooperação entre as duas instituições, com o objetivo de cooperarem na formulação e implantação de projetos de saneamento ecológico nas comunidades tradicionais e rurais de Paraty. No ato, também assinaram como testemunhas: Vagner do Nascimento, coordenador-geral do FCT; e Ivanildo dos Santos, representando o presidente da Funasa.

#EspecialSaneamentoOTSS #SaneamentoEcológicoSono #Permacultura

 

Sem comentários, ainda.

Deixe seu comentário